22 março, 2014

ODE A TI

Ode a ti cigarro
Que lava meus pulmões com a penumbra da morte
Que alivia meu espírito num súbito e gostoso tragar
Por ti fumei meus devaneios,
Sem pretensão fingiu levar meu estresse, me corrompeu.
Sem pretensão estou presa a ti,
Por que tu me tomas a essência da vida,
Quando procuro a mesma essência ao te tragar
Um ode, sem pretensão ao ódio a ti, cigarro, cigarro, cigarro...

Que me faz ir e vir, até não mais... coff, coff, coff 


Nota: Com uma sútil inspiração da personagem "Marie" em "Les Amours Imaginaries". Click Aqui